Terezinha

"Tive que fazer teste de DNA do meu filho de 19 anos"
56 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Uma vez eu li uma entrevista do Eduardo Coutinho em que ele dizia que sempre que algum personagem começava a contar alguma história enquanto a câmera estava desligada, ele cortava o papo na hora e pedia para que a pessoa esperasse até que eles estivessem gravando. Se alguém contasse algo e depois repetisse, seria apenas isso: uma repetição, e não a história como deveria ser contada.

Com Terezinha aconteceu algo semelhante, mas não tivemos como evitar. Ela nos contou a história de seu casamento que acabou depois de 29 anos e assim que desligamos a câmera e desplugamos o microfone, ela começou a falar da admiração que sente pelo Padre Marcelo e como ele era importante em sua vida.

Ela falou sobre uma carta que escreveu há quatro anos e queria dar um jeito de entregar a ele. Não prestei muita atenção. A conversa já tinha terminado e não daria mais pra recomeçar; uma outra pessoa já tinha chegado e, além disso, me lembrei do lema de Coutinho e resolvi torná-lo meu naquele momento.

Confesso que fiquei até um pouco irritado, pois já estávamos com tudo pronto pra começar uma nova conversa e ela não parava de falar. Ora, se essa história do Padre Marcelo era tão importante assim, devia ter contado enquanto a câmera estava ligada, pensei.

Finalmente, ela foi embora.

Cerca de 20 minutos depois, Terezinha voltou e nos entregou a carta. Ela pediu que entregássemos ao Padre. Nós não o conhecemos e em nenhum momento dissemos a ela que tentaríamos ajudá-la com isso. Nada. Ela simplesmente achou que poderíamos fazer algo por ela. Pediu também que devolvessemos a carta depois que ele a tivesse lido.

Vou reproduzir a carta aqui e, na sequência, colocá-la nos Correios de volta para Terezinha. Se o Padre Marcelo vai ler ou não, eu não sei – provavelmente não, mas vou postá-la aqui como agradecimento pela história tão íntima que ela dividiu conosco.

Daniel

carta

Postado dia 21 de janeiro de 2015
Comente (0)

Pedro

"Já não tenho mais tanto tempo de vida, apesar de ainda ser jovem"
27 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 07 de janeiro de 2015
Comente (0)

Débora

"Gosto muito da dupla Jorge & Mateus. Quando vou no show deles, é um dos momentos mais felizes que tenho"
23 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 15 de dezembro de 2014
Comente (0)

Jozeilton

"O pedaço de faca veio pra cima de mim. Foi coisa rápida. Dor não senti não, só muito sangue"
24 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 10 de dezembro de 2014
Comente (0)

Jéssica

"No terceiro dia de namoro ele fez uma tatuagem com o meu nome"
25 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 04 de dezembro de 2014
Comente (0)

Rodrigo

"Em 2014, trabalhar com giz e lousa, sem opção de outros suportes, é desinteressante para o aluno, já que ele mesmo traz a tecnologia de casa"
38 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 03 de dezembro de 2014
Comente (0)

Odara

"Têm várias piadinhas – Odará, Odarei – que a gente releva e dá aquela risadinha, só pra não deixar a pessoa sem graça"
22 anos
Largo da Batata, São Paulo, SP

Postado dia 02 de dezembro de 2014
Comente (0)