Nem sempre deus ajuda quem cedo madruga

Mucuripe, Fortaleza, CE

mucuripe

Chegamos ao Mucuripe às 5:30
Amanheceu
Nenhum pescador olhou para nós
Choveu

O despertador tocou às 4:45 e na hora pensei: “Isso vai valer muito a pena!” Essa é a atitude que se deve ter quando precisamos acordar numa hora dessas, certo? Nossa ideia era ir até Mucuripe, praia onde os pescadores chegam para vender seus peixes após uma madrugada no mar e fazer o Fale com Estranhos por lá.

Chegamos e montamos nosso equipamento na areia – o que já é uma péssima ideia – e esperamos alguém notar a placa e sentar pra conversar.

Recepção fria nos primeiros minutos. Digo fria pra não dizer que fomos completamente ignorados pelos jangadeiros. Acontece que, a essa hora, o mercado do peixe está no auge, todo mundo quer vender e não sobra tempo pra mais nada.

Mas, tudo bem. Às vezes demora mesmo pra começarem a falar conosco.

Quando as primeiras gotas de chuva começaram a cair bem de leve, a Adriana me perguntou se eu estava sentindo e eu disse que sim, mas que negava pra mim mesmo a existência delas.

Aí então a chuva começou a cair MUITO FORTE. Fiquei meio em pânico pensando que perderíamos todo o equipamento, mas demos um jeito de enfiar tudo na mochila e correr para um abrigo. Acontece que a gente estava no meio da praia, bem longe de qualquer tipo de abrigo e a montagem dos nossos equipamentos é sempre feita por partes, não dá pra desmontar tudo de uma vez, então enquanto eu corria na areia (um excelente terreno pra se correr, especialmente quando molhado) tentando salvar nossos equipamentos eletrônicos, o tripé ficava lá, tomando muita chuva. Nem sempre Deus ajuda quem cedo madruga.

De volta ao hotel, secamos todo o equipamento e voltamos, só que não para Mucuripe e sim para o calçadão da Avenida Beira Mar. Depois que o pior passou, demos risada e pensamos no poeminha que abre o texto.

Chegamos no Calçadão. Choveu de novo. Corri para um orelhão, mas fui expulso de lá por duas abelhas que também buscavam abrigo.

Daniel

Postado dia 13 de dezembro de 2014
Comente (1)