Talk to strangers

Estados Unidos, Middleburry College

site

Dentre os projetos que inspiraram o Fale com Estranhos, um é o meu preferido: The Interview Project, do David Lynch. Nele, o cineasta norte-americano percorre o interior dos Estados Unidos em busca de personagens interessantes, alguns deles excêntricos, sobre quem apresenta um pequeno perfil, sempre na voz dos próprios.

No mês passado, passei alguns dias em uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos, Middlebury, em Vermont, quase na fronteira com o Canadá. Fiquei hospedada na universidade da região, Middlebury College. Eu acompanhava o meu marido, que participava de um programa como escritor-residente, e enquanto ele trabalhava eu batia pernas pela vizinhança, espiando as residências em estilo vitoriano erguidas em madeira – muitos imóveis, de fato, datavam de meados do século 19.

Em uma delas, pintada em azul claro e protegida por uma pequena cerca branca de madeira, morava um gato cinza, gordo, que passava o dia dormindo sobre um tapete felpudo na entrada da casa. A proprietária, uma senhora muito magra, de cabelos grisalhos e esvoaçantes, lembrava uma bruxa dos contos de fadas (minhas filhas gostaram da ideia e, a partir daquele instante, aquela virou “a casa da bruxa”). Alguns metros adiante, na estrada para a cidade de Burlington, um homem passava o dia sentado em uma cadeira diante de uma garagem atulhada de cacarecos. No alto da casa, um letreiro informava o ramo de atividades do senhor: Antiques.

Durante meus exercícios diários de voyeurismo, não pude deixar de sentir muita inveja do Lynch, que no comando do The Interview Project tinha acesso a todas aquelas vidas privadas. O que, realmente, faz a bruxa da casa azul? E o homem que cuida da loja de antiquidades perdida em uma estrada, por que resolveu dedicar a vida a vender coisas das quais outros se desfizeram? E as três loirinhas de bochechas rosadas que tomavam sorvete todas as tardes na vendinha da esquina, seriam elas irmãs? No jantar em família, sobre o que conversam com os pais? Comiam pizza ou peito de peru com legumes?

Minha curiosidade sobre a vida alheia, certamente um outro nome para o velho e bom mexerico, conduziu muitas das minhas escolhas, e o Fale com Estranhos é uma delas. O fator “rapidez” certamente torna o projeto único – acho fantástico quando alguém, mesmo apressado para ir ao trabalho ou voltar para casa, decide parar para conversar, rir e até chorar -, mas às vezes sinto falta de saber mais sobre a vida dos nossos entrevistados. Como será a namorada do Rafael, aquele que dorme de duas a três vezes por semana? E a Bruna, como ela se comporta enquanto dá aulas de física?

E no interior do Brasil, como é a vida privada de um agricultor do sertão nordestino e de outro, do Rio Grande do Sul? Quando me refiro à vida privada, falo em minúcias: quando a pessoa acorda, ela escova os dentes ou deixa para fazer isso depois de tomar uma xícara de chá preto? Julguem-me.

Além de espiar a vizinhança, também dediquei meus dias em Middlebury a conviver com os estudantes que, durante o verão, frequentavam a Escola de Português da universidade. Durante sete semanas, os estudantes participam de um curso intensivo para aprender o idioma. Fazem, inclusive, um juramento para não falar a língua materna no período de estudos. O resultado é realmente incrível. Gente que chega lá sem falar um simples “oi” termina a temporada de estudos se comunicando perfeitamente em português.

Eu conversava com muitos deles durante as refeições no bandejão da Escola e sempre queria saber o motivo pelo qual aqueles americanos, colombianos, indianos e mexicanos estavam empenhados em aprender o nosso idioma. Foi
Foi assim que surgiu a ideia de fazer o Fale com Estranhos por lá. Vocês vão perceber que há algumas diferenças no formato: eu estava sem o Daniel, e isso foi a coisa mais difícil do planeta Terra. Mas ele fez a edição do material, como sempre, e nisso vocês vão reconhecer o velho estilo do Fale com Estranhos.

Bom, espero que vocês gostem do nosso primeiro Fale com Estranhos gringo – e torçam para que este seja apenas o primeiro de uma série de tantos outros.

Adriana

P.S. Para conhecer o maravilhoso projeto do David Lynch acesse interviewproject.davidlynch.com

Postado dia 03 de agosto de 2015
Comente (0)